Voltar

31/07/2019 | Camila Almeida

GARIMPO 05 – Criatividade

A palavra criatividade geralmente é associada a uma ideia, aquele momento que acende uma lâmpada em cima da cabeça, mas no Garimpo de hoje queremos falar da criatividade como a capacidade que nos define como humanos. O homo sapiens é o único ser vivo dotado dessa habilidade cognitiva de enfrentar uma situação desconhecida indo além do seu instinto e aplicando o seu pensamento dedutivo, que lhe permite imaginar e visualizar, e pensamento abdutivo, usando suas experiências e conhecimentos, para determinar suas ações.

Foi a criatividade que levou e leva a humanidade a visualizar e desenvolver aquilo que até então não existia, a inovar. Criar não é inventar à partir do inexistente, e sim à partir de referências que já existem, informações, conhecimentos ou experiências que nos inspiram. Uma ideia é formada e desenvolvida num processo ideativo, não é apenas fruto de um momento de inspiração individual. Na criação, assim como no aprendizado, utilizamos os estímulos e informações externos somados às nossas próprias percepções, para fazer novas conexões e combinações em nossa mente, gerando então algo novo.

É comum escutarmos que algumas pessoas são criativas e outras não, ou que alguns ambientes são necessariamente mais criativos que outros. A criatividade é como um músculo, e precisamos mantê-la ativa. Quando somos crianças tendemos a exercitar mais nossa natureza criativa, temos menos crenças e barreiras culturais e emocionais, que nos fazem ter receio de expor nossa ideia. O fato é que uma cultura de criatividade pode ser desenvolvida, e para isso é necessário autenticidade e a coragem de não recuar diante do medo de fracassar, do medo do novo.

Todos somos criativos. O que existem são diferentes perfis criativos, cada pessoa com suas características individuais e capacidade de desenvolver novas ideias e conceitos que podem revolucionar a arte, a ciência, a economia e outras áreas. Ser criativo é, frente a um desafio, fazer algo diferente, romper paradigmas e é por essas e outras que a criatividade se tornou a competência mais exigida do século XXI.

Qualquer pessoa que sinta necessidade de mais inspiração para enfrentar seus desafios, pode despertar a criatividade aprendendo mais sobre si mesmo, resgatar a sua criança interior, espontânea, inventiva, e se permitir criar com mais liberdade e menos autocrítica. Por isso a importância da experimentação e da liberdade criativa na Educação, no olhar para processos de aprendizado que permitam, a crianças e adultos, compreender e resolver de forma criativa os desafios presentes e futuros da nossa sociedade.

Separamos alguns conteúdos para quem quer aprofundar os aprendizados sobre esse tema:

– A série “Criatividade na Prática”, do canal Meio&Mensagem;

– O podcast “Inspiração para criar”, do canal Boa Noite Internet;

– O TED de Steve Johnson, em que ele fala sobre “De onde vêm as boas ideias”, tema do seu livro best-seller;

– A série da Netflix, em que o neurocientista David Eagleman explora “Como o cérebro cria”;

– O livro “O Iconoclasta”, de Gregory Berns, que revela os segredos do cérebro no processo criativo;

– Felipe Zamana fala sobre a dinâmica do processo criativo em seu artigo “Da Criação à Criatividade”;

– O fundador IDEO, David Keller, compartilha neste TED seus insights sobre “Como construir sua confiança criativa”;

– Fábio Soares, conhecido pelo seu trabalho com o Blue Man Group, fala sobre “As Seis Lentes Criativas”;

– O livro “Criatividade S/A”, de Edwin Catmull, presidente da Walt Disney Studios e da Pixar;

– Neste TED, Tim Harford traz uma reflexão sobre “Como frustrações podem inspirar a criatividade”;

– Julie Burstien, conversa neste TED com profissionais da criatividade sobre “4 lições em Criatividade”;

– Este trecho da entrevista à Domenico de Masi, na qual ele “explica o conceito de ócio criativo e garante que é a natureza do ser humano”;

– O artigo, do blog LerEMPREENDER, sobre “Ócio Criativo: A importante etapa da criatividade para ter boas ideias”;

– O TEDx “Quebrando o Tabu da Ciência”, da Julia Moura, consultora de inovação na educação;

– O e-book “Criatividade: Mudar A Educação, Transformar o Mundo”, produzido pelo programa Escolas Transformadoras.

E para encerrar vale lembrar que essa criatividade humana, que floresce em meio ao caos, diante de problemas e adversidades, tanto quanto no exercício necessário do ócio criativo, da distração, da contemplação, pode ser estimulada.

Separamos algumas dicas de hábitos e exercícios que podem ajudar a aguçar a criatividade:

– O texto “7 hábitos criativos e porque eles funcionam”, publicado no blog da Escola Design Thinking;

– As “5 dicas para cultivar a criatividade e sair do lugar comum”, do blog Em Beta;

– Este artigo da BBC, “Silêncio, por favor: ausência de barulho pode turbinar o cérebro e a criatividade”;

– O livro “O caminho do artista: Desperte seu potencial criativo e rompa seus bloqueios por Julia Cameron”;

– O livro “Roube como um artista: 10 dicas sobre criatividade”, de Austin Kleon;

E aí, curtiu esse post? Se quiser contribuir, esse é um espaço colaborativo e nós te convidamos a compartilhar nos comentários aquilo que você garimpou de interessante.

Nos vemos no próximo Garimpo 😉

 

Escrito por Camilla Casas e David Frenkel 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Continue

Fale com a gente

São Paulo

Rua Francisco Isoldi, 118 - Vila Madalena

(11) 2737-5706

Florianópolis

Av. Prof. Osmar Cunha, 416 - Sala 302

(48) 3024-3084